O leite faz bem a saúde? Descubra agora!

O Leite muito elogiado por nutricionistas e gurus fitness como um “alimento perfeito” pode realmente ser o alimento atualmente mais aterosclerótico. Aí, você diz: – Se eu beber leite desnatado ou com baixo teor de gorduras?  É a gordura no leite que entope as artérias? Bem, sim e não. É verdade que a gordura do leite é uma das mais insalubres existentes, mas parece que a proteína do leite está realmente causando diversos danos à saúde humana.

Stephen Seely, um dos principais pesquisadores no campo, analisou os dados obtidos pela Organização Mundial de Saúde e da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico sobre a correlação da mortalidade coronária com o consumo de vários alimentos. Adivinha quem está no topo da lista? Não, não é a carne, não são os  ovos e nem gorduras animais. O primeiro da lista foi a proteína do leite. O Segundo foi a gordura do leite e o terceiro, o açúcar. O consumo de proteína derivada do leite possui uma correlação quase perfeita com a mortalidade coronária. Eu sei que a correlação não significa necessariamente causa e efeito, mas Seely realmente discutiu algumas teorias muito plausíveis pelas quais a proteína do leite podem causar doenças cardíacas.

A primeira teoria é a teoria do estrogênio. O leite é a principal causa de estrogênios em nossa dieta. O estrogênio exógeno tem mostrado grande associação com o risco de acidente vascular cerebral e doença cardíaca em homens tratados com estrogênios em diversas condições. Além disso, o fígado normalmente afasta os estrogênios endógenos da corrente sanguínea muito rapidamente, porém estes estrogênios exógenos podem permanecer no sangue por um determinado tempo e pode, portanto, causar danos. Uma segunda teoria é a teoria dos anticorpos. Já se sabe que o organismo produz anticorpos contra as proteínas do leite (especialmente caseína), uma vez que, essencialmente, atuam como antígenos. Cientistas do País de Gales observaram que os homens que tiveram ataques cardíacos tinham níveis mais elevados destes anticorpos que derivam do leite mais do que os do grupo de controle. Estes anticorpos não apenas ativam plaquetas, pois também atuam como um agente trombogênico, mas causam a inflamação das paredes das artérias, onde inicia a aterosclerose.

Outros pesquisadores do Centro de Pesquisa NASA Langely, descobriu que a maior correlação de qualquer alimento para a doença cardíaca era o leite e os carboidratos e não a gordura, dependendo da faixa etária (em parte, mulheres com menos de 64 anos possuem uma maior associação entre dieta e doenças cardíacas com a ingestão de açúcar). Os seus mecanismos propostos foram:

1. Aumento da produção de homocisteína a partir da proteína do leite, que ao contrário da carne, tem baixos níveis de vitaminas B, tornando-o incapaz de neutralizar os efeitos nocivos potenciais da homocisteína.

2. A lactose aumenta a absorção de uma fonte concentrada de cálcio e promove a calcificação das artérias.

3. A Má digestão de lactose, também conhecido como intolerância à lactose, ou (incorretamente) como alergia à lactose, ocorre devido o sistema digestivo não produzir suficiente a enzima lactase que é responsável por quebrar o açúcar lactose complexo em açúcares mais simples. O açúcar de lactose fermenta no intestino delgado, aumentando a produção de gases, distensão abdominal, cãibras e diarreias.
Nota-se que pessoas que apresentam má digestão usualmente toleram lactose em pequenas doses, mas são comprometidas quando em grandes quantidades.

4. Alergia ao leite – Esta é uma verdadeira reação alérgica pelo sistema imune do corpo a uma ou mais proteínas do leite, tais como caseína e lactoglobulina. Os sintomas resultantes tipicamente incluem inchaço, comichão, broncoespasmo, urticária, hipotensão ou choque, cólicas abdominais e diarreias, como ocorre de forma muito parecida com os celíacos (pessoas alérgicas ao Glúten).

Aprenda mais sobre os efeitos do glúten com este programa e saiba como evitá-lo e conquistar uma vida mais saudável!

Podemos então observar a ocorrência de diversos  efeitos desagradáveis, não sendo estes ainda os piores, pois a longo prazo complicações ainda mais severas, como por exemplo, o endurecimento das artérias poderão ocorrer gerando um alto grau de problemas cardiovasculares.

Para ser justo, porém apesar da alta correlação entre o leite e doenças cardíacas, não há um mecanismo que tem sido provado. Assim mais pesquisas precisam ser feitas para descobrir mais a fundo outras correlações.

O leite é também uma causa de desordens de má absorção e pode ser também a causa de algumas doenças mentais, bem como diabetes juvenil e pode promover cancro testicular.

Do ponto de vista da dieta Paleo, as informações acima fazem todo o sentido. Nós somos a única espécie que consome leite de outra espécie, e o leite de vaca é feito para promover um rápido crescimento em bezerros e não para não alimentar os seres humanos adultos.

Embora os produtos lácteos não estejam na dieta Paleo (em sua maioria), os bebês de caçadores e coletores sempre foram amamentados. O leite materno é muito importante nutricionalmente para bebês, mas diversos produtos lácteos são prejudiciais para crianças e adultos. As crianças podem obter o cálcio que precisam a partir de outras fontes, como sucos enriquecidos de laranja, vegetais de folhas verdes, ou frutos do mar como sardinha e salmão.

Vamos ficar atentos ao que nos é indicado como saudável e nos manter sempre de olhos abertos ao que a indústria moderna nos vende.

Até a próxima!

Marcio Roberto.

Olá, me chamo Marcio Roberto. Sou pesquisador, orientador, educador e tenho formação na área de exatas. Praticante de atividades esportivas como Crossfit, musculação e treinos intervalados, utilizo o estilo alimentar Paleo/Primal onde obtive uma melhora fenomenal em minha qualidade de vida, além de aprender e praticar meios de nutrição e tudo que engloba saúde, beleza e bem estar. Apaixonado por novos aprendizados, busco sempre o aprimoramento pessoal através da ciência, compartilhando as novas descobertas com o intuito de ajudar as pessoas transformarem suas vidas.

Leave a Comment